Notícias Fecomercio

14 de novembro de 2018

“Bitcoin pode exercer função de moeda no futuro”, diz Fernando Ulrich


Para especialista em criptomoedas do Grupo XP, importância do ativo deve crescer seguindo os passos da consolidação da internet

Embora cada vez mais conhecido, o bitcoin ainda é um ativo cuja procura se restringe a poucos investidores, muito em função da sua volatilidade de preço. Contudo, a moeda virtual reserva oportunidades para quem entendê-la, e sua importância tende a crescer de uma maneira semelhante à da internet em todo o mundo. Essa é a avaliação do especialista em criptomoedas e blockchain do Grupo XP, Fernando Ulrich.

De acordo com Ulrich, quem olhar para o bitcoin sob uma ótica financeira não pode ignorar suas particularidades. “Como é algo muito novo, a volatilidade de preço é relevante. Tem de saber que é um ativo como outro qualquer, porém, com um perfil de risco um pouco maior. Então, tem de saber que não se deve aplicar capital de curto prazo ou poupança. Bitcoin não tem rendimento, o preço oscila”, afirma Ulrich, em entrevista ao UM BRASIL, realizada em parceria com a Expert XP 2018.

Para o mestre em Economia pela Universidade Rey Juan Carlos (URJC), o bitcoin, hoje, está em um estágio semelhante ao da internet em 1995, quando ainda não se previa as oportunidades que a rede mundial de computadores ofereceria ao mundo.

“Naquela época, internet era sinônimo de e-mail. Hoje, a internet é a espinha dorsal da economia mundial”, reforça. “Quando olhamos o mundo digital, o bitcoin é a peça que faltava. As principais empresas em valor de mercado na atualidade geram riqueza digital, como o Google e o Facebook. A única coisa que não tínhamos ainda era uma moeda digital. Acho que o bitcoin pode exercer esse papel no futuro, talvez com sua crescente adoção, mais liquidez entrando no sistema e mais pessoas percebendo esses atributos”, completa.

Ulrich diz que a criptomoeda está caminhando para ser aceita em mais operações de comércio eletrônico. “Grande debate e foco de estudos de economistas é entender a evolução que pode ter um ativo como o bitcoin. A pergunta é: pode vir a ser moeda, ser mais moeda do que é hoje ou ser mais usada em transações? Acredito que sim, porque, quando olhamos o mundo digital, é a única peça que faltava”, frisa. Assista à entrevista completa aqui.

 

Voltar para Notícias