Notícias Fecomercio

14 de novembro de 2018

Qualificação cadastral evita o envio de dados incompletos ou errados ao eSocial


Checagem feita no portal do sistema identifica divergências no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) e no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS)

Os empregadores devem realizar a qualificação cadastral de seus empregados para evitar o envio de dados incompletos ou errados ao sistema do eSocial. Essa checagem online identifica divergências de cada trabalhador no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) e no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS). Para realizar a consulta, o nome completo, a data de nascimento e os números do CPF e do NIS (NIT/PIS/Pasep) devem ser informados.

A ferramenta disponível no portal do eSocial deve ser usada para qualquer trabalhador, inclusive estagiário e contribuinte individual. Entretanto, como o estagiário normalmente não tem registro no CNIS, nesse caso, será necessário apenas a validação de seu CPF. A qualificação cadastral não é obrigatória apenas para o empregado afastado por aposentadoria, por invalidez ou por auxílio-doença.

As divergências mais comuns são encontradas no nome dos funcionários, em razão de alteração por casamento e abreviação, data de nascimento e situação irregular perante a Receita Federal. Mas, nessa fase inicial de implantação, apenas CPF nulo ou cancelado impedirá o envio dos dados do trabalhador ao eSocial.

A qualificação cadastral permite dois tipos de consultas: individual e em lote. A primeira é realizada de forma manual e ideal para pequenas empresas. Ela consiste em um formulário para preenchimento individual dos dados de cada trabalhador. Já a consulta em lote é feita por meio de envio de arquivo padronizado e atende às necessidades das empresas com grande número de empregados. Confira a matéria completa aqui.

 

Voltar para Notícias